Robocalypse fato ou mito?

NO ANO PASSADO, A empresa japonesa SoftBank abriu uma loja de telefones celulares em Tóquio e ocupou uma equipe inteiramente com associados de vendas chamados Pepper. Não foi tão difícil quanto parece, já que todos os Peppers eram robôs.



Robôs humanóides, para ser mais preciso, que a SoftBank descreve como “gentis, cativantes e surpreendentes”. Cada Pepper é equipado com três rodas multidirecionais, um sistema anticolisão, vários sensores, um par de braços e um tablet montado no peito que permite aos clientes inserir informações. Pepper pode “expressar suas próprias emoções” e usar uma câmera 3-D e duas câmeras HD “para identificar movimentos e reconhecer as emoções nos rostos de seus interlocutores”.


O robô falante pode supostamente identificar alegria, tristeza, raiva e surpresa e determinar se uma pessoa está de bom ou mau humor - habilidades que os engenheiros de Pepper imaginaram que fariam dele um assistente pessoal ou vendedor ideal. E com certeza, existem mais de 10.000 Peppers agora em funcionamento nas lojas SoftBank,


Em um mundo menos ansioso, Pepper pode parecer uma novidade tecnológica atraente. Mas, para muitos analistas e prognosticadores, ele é um sinal de algo muito mais grave: a crescente obsolescência dos trabalhadores humanos.

Nos últimos anos, tornou-se senso comum que avanços dramáticos na robótica e inteligência artificial nos colocaram no caminho para um futuro sem empregos. Estamos vivendo no meio de uma "era da segunda máquina", para citar o título do livro influente dos pesquisadores do MIT Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee, no qual o trabalho de rotina de todos os tipos - na fabricação, vendas, contabilidade, preparação de alimentos - é sendo automatizado em um ritmo constante, e até mesmo trabalhos analíticos complexos serão substituídos em pouco tempo.


Um estudo de 2013 amplamente citado por pesquisadores da Universidade de Oxford, por exemplo, descobriu que quase metade de todos os empregos nos Estados Unidos corriam o risco de ser totalmente automatizados nos próximos 20 anos. O fim do jogo, dizem, é inevitável: os robôs estão em marcha e o trabalho humano está em retirada.


Essa ansiedade sobre a automação é compreensível à luz do progresso assustador que as empresas de tecnologia têm feito ultimamente em robótica e inteligência artificial, que agora é capaz de, entre outras coisas, derrotar mestres Go, vencer campeões no Texas Hold'em e com segurança, ou dirigindo um carro. E a noção de que estamos à beira de um salto radical na escala e no escopo da automação certamente está de acordo com o sentimento generalizado no Vale do Silício de que estamos vivendo em uma época de inovação acelerada e sem precedentes. Alguns líderes de tecnologia, incluindo Sam Altman da Y Combinator e Elon Musk da Tesla, têm tanta certeza de que esse futuro sem emprego é iminente - e, talvez, tão cautelosos com os fatos - que estão ocupados pensando em como construir uma rede de segurança social(ou renda básica universal) para um mundo com menos trabalho.


É uma história dramática, este conto marcante sobre automação e desemprego permanente. Mas tem um problema importante: na verdade, não há muitas evidências de que isso esteja acontecendo.


IMAGINE QUE VOCÊ É o piloto de um velho Cessna. Você está voando com mau tempo, não consegue ver o horizonte e um passageiro frenético e desorientado grita que você está indo direto para o solo. O que você faz? Sem dúvida: você confia em seus instrumentos - seu altímetro, sua bússola e seu horizonte artificial - para orientar-se e continuar voando.


Agora imagine que você é um economista de volta ao solo e um engenheiro de software em pânico está avisando que suas criações estão prestes a levar todos direto para um mundo sem trabalho. Com a mesma certeza, existem alguns instrumentos estatísticos que você deve consultar imediatamente para ver se essa previsão dá certo. Se a automação estivesse, de fato, transformando a economia dos Estados Unidos, duas coisas seriam verdadeiras: a produtividade agregada aumentaria drasticamente e os empregos seriam mais difíceis de encontrar do que no passado.


Considere a produtividade, que é uma medida de quanto a economia gasta por hora de trabalho humano. Uma vez que a automação permite que as empresas produzam mais com menos pessoas, uma grande onda de automação deve levar a um maior crescimento da produtividade. No entanto, na realidade, os ganhos de produtividade na última década foram, pelos padrões históricos, terrivelmente baixos. No auge da economia dos Estados Unidos, de 1947 a 1973, a produtividade do trabalho cresceu a um ritmo médio de quase 3% ao ano. Desde 2007, cresceu a uma taxa de cerca de 1,2 por cento, o ritmo mais lento em qualquer período desde a Segunda Guerra Mundial. E nos últimos dois anos, a produtividade cresceu apenas 0,6% - os mesmos anos em que a ansiedade em relação à automação disparou. Isso simplesmente não é o que você veria se robôs eficientes estivessem substituindo humanos ineficientes em massa. Como diz a McAfee,


Em vez de um período de enormes perturbações, este foi um período de estabilidade surpreendente para grande parte da força de trabalho americana.

Agora, é possível que parte da desaceleração da produtividade seja o resultado de humanos mudando das fábricas para empregos de serviços (que têm sido historicamente menos produtivos do que os empregos nas fábricas). Mas mesmo o crescimento da produtividade na manufatura, onde a automação e a robótica estão bem estabelecidas há décadas, tem sido especialmente insignificante ultimamente. “Tenho certeza de que existem fábricas aqui e ali onde a automação está fazendo a diferença”, diz Dean Baker, economista do Center for Economic and Policy Research. “Mas você não pode ver isso nos números agregados.”


Nem o mercado de trabalho dá sinais de um robopocalipse incipiente. O desemprego estava abaixo de 5%(antes da COVID 19 é claro, hoje 6,7%), e os empregadores em muitos estados estão reclamando da escassez de mão de obra, e não do excesso de mão de obra. E embora milhões de americanos tenham abandonado a força de trabalho após a Grande Recessão, eles agora estão voltando - e conseguindo empregos. Ainda mais impressionante, os salários dos trabalhadores comuns aumentaram à medida que o mercado de trabalho melhorou. É verdade que os aumentos salariais são escassos para os padrões históricos, mas estão aumentando mais rápido do que a inflação e mais rápido do que a produtividade. Isso é algo que não estaria acontecendo se os trabalhadores humanos estivessem no caminho certo para a obsolescência.


Se a automação estivesse realmente reformulando o mercado de trabalho, você também esperaria ver muito do que os economistas chamam de rotatividade de empregos à medida que as pessoas mudam de empresa para empresa e de indústria para indústria depois que seus empregos são destruídos. Mas estamos vendo o oposto disso. De acordo com um artigo recente de Robert Atkinson e John Wu, da Information Technology and Innovation Foundation, “Os níveis de rotatividade ocupacional nos Estados Unidos estão agora em mínimos históricos”. A quantidade de rotatividade desde 2000 - uma era que viu a integração da Internet e o advento da IA ​​- foi de apenas 38 por cento do nível de rotatividade entre 1950 e 2000. E isso está de acordo com as estatísticas sobre a média de permanência no emprego nos Estados Unidos, que aumentou, não diminuiu, desde 2000. Em outras palavras, em vez de um período de enorme perturbação, essa foi uma estabilidade surpreendente para grande parte da força de trabalho americana. A duração média do emprego hoje é realmente semelhante ao que era na década de 1950 - a era que consideramos o auge da estabilidade no emprego.


Isso quer dizer que a automação e a IA não estão tendo um impacto importante na economia. Mas esse impacto é muito mais estigmatizado e limitado do que as previsões do fim do mundo sugerem. Um estudo rigoroso do impacto dos robôs na manufatura, agricultura e serviços públicos em 17 países, por exemplo, descobriu que os robôs reduziram as horas de trabalhadores menos qualificados, mas não diminuíram o total de horas trabalhadas por humanos, e eles realmente aumentou os salários. Em outras palavras, a automação pode afetar o tipo de trabalho que os humanos fazem, mas, no momento, é difícil ver que ela está levando a um mundo sem trabalho. McAfee, na verdade, diz sobre suas declarações públicas anteriores: “Se eu tivesse que fazer tudo de novo, colocaria mais ênfase na maneira como a tecnologia leva a mudanças estruturais na economia e menos em empregos, empregos, empregos. O fenômeno central não é a perda líquida de empregos.


A McAfee aponta o varejo e o transporte como áreas em que a automação provavelmente terá um grande impacto. No entanto, mesmo nesses setores, os números de perda de empregos são menos assustadores do que sugerem as manchetes. O Goldman Sachs acaba de lançar um relatório prevendo que os carros autônomos podem acabar com 300.000 empregos com motorista por ano. Mas isso não vai acontecer, argumenta a empresa, por mais 25 anos, tempo mais do que suficiente para a economia se adaptar. Um estudo recente da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, por sua vez, prevê que 9% dos empregos em 21 países diferentes estão seriamente ameaçados pela automação. É um número significativo, mas não apocalíptico.


Das 271 ocupações listadas no censo de 1950, apenas uma - operador de elevador - havia se tornado obsoleta pela automação em 2010.

É verdade que existem previsões muito mais assustadoras, como aquele estudo da Universidade de Oxford. Mas uma análise mais aprofundada, essas previsões tendem a assumir que se um trabalho pode ser automatizado, ele vai ser totalmente automatizado em breve - o que superestima o ritmo e a abrangência de como a automação é realmente adotada em prática. A história sugere que o processo é muito mais desigual do que isso. O caixa eletrônico, por exemplo, é um exemplo clássico de máquina projetada para substituir o trabalho humano. Introduzidos pela primeira vez por volta de 1970, os caixas eletrônicos foram amplamente adotados no final dos anos 1990. Hoje, existem mais de 400.000 caixas eletrônicos nos EUA. Mas, como mostrou o economista James Bessen, o número de caixas de banco na verdade aumentou entre 2000 e 2010. Isso porque, embora o número médio de caixas por agência tenha caído, os caixas eletrônicos tornaram mais barato abrir agências, então os bancos abriram mais delas. É verdade que o Departamento do Trabalho prevê agora que o número de caixas diminuirá 8% na próxima década. Mas isso é 8 por cento - não 50 por cento. E já se passaram 45 anos depois que o robô que deveria substituí-los fez sua estreia. (Tendo uma visão mais ampla, Bessen descobriu que das 271 ocupações listadas no censo de 1950, apenas uma - operador de elevador - havia se tornado obsoleta pela automação em 2010.)


Claro, se a automação está acontecendo muito mais rápido hoje do que no passado, então as estatísticas históricas sobre máquinas simples como o caixa eletrônico seriam de uso limitado para prever o futuro. O livro de Ray Kurzweil, The Singularity Is Near(que, aliás, saiu há 12 anos) descreve o momento em que uma sociedade tecnológica atinge o “joelho” de uma curva de crescimento exponencial, desencadeando uma explosão de novos avanços que se reforçam mutuamente.

A sabedoria convencional na indústria de tecnologia diz que é onde estamos agora - que, como o futurista Peter Nowak coloca, "o ritmo da inovação está se acelerando exponencialmente". Mais uma vez, porém, as evidências econômicas contam uma história diferente. Na verdade, como afirma um artigo recente de Lawrence Mishel e Josh Bivens, do Economic Policy Institute, "a automação, amplamente definida, tem sido mais lenta nos últimos 10 anos". E, ultimamente, o ritmo de avanço do microchip começou a ficar aquém do cronograma ditado pela lei de Moore.


A América corporativa, por sua vez, certamente não parece acreditar no futuro sem empregos. Se as recompensas da automação fossem tão imensas quanto o previsto, as empresas estariam injetando dinheiro em novas tecnologias. Mas elas não estão. Os investimentos em software e TI cresceram mais lentamente na última década do que na anterior. E o investimento de capital, de acordo com Mishel e Bivens, cresceu mais lentamente desde 2002 do que em qualquer outro período do pós-guerra. Isso é exatamente o oposto do que você esperaria em um mundo que se automatiza rapidamente. Quanto a gadgets como Pepper, o gasto total com toda a robótica nos Estados Unidos foi de apenas US $ 11,3 bilhões no ano passado. Isso é cerca de um sexto do que os americanos gastam todos os anos com seus animais de estimação.




PORTANTO, se os dados não mostram nenhuma evidência de que os robôs estão assumindo o controle, por que tantas pessoas, mesmo fora do Vale do Silício, estão convencidas de que isso está acontecendo? Nos EUA, pelo menos, isso se deve em parte à coincidência de duas tendências amplamente observadas. Entre 2000 e 2009, 6 milhões de empregos industriais nos EUA desapareceram e o crescimento dos salários em toda a economia estagnou. Nesse mesmo período, os robôs industriais foram se espalhando, a internet parecia estar transformando tudo e a IA se tornou realmente útil pela primeira vez. Portanto, parecia lógico conectar esses fenômenos: os robôs haviam eliminado o trabalho de manufatura bem remunerado e eles viriam atrás de nós em seguida.


Em outras palavras, Donald Trump não estava totalmente errado sobre o que aconteceu com os empregos nas fábricas americanas.

Mas algo mais aconteceu na economia global por volta de 2000: a China entrou na Organização Mundial do Comércio e aumentou maciçamente a produção. E foi isso, não a automação, que realmente devastou a manufatura americana. Um artigo recente dos economistas Daron Acemoglu e Pascual Restrepo - intitulado, apropriadamente, “Robots and Jobs” - chamou muita atenção por sua afirmação de que a automação industrial foi responsável pela perda de até 670.000 empregos desde 1990. Mas apenas em no período de 1999 a 2011, o comércio com a China foi responsável pela perda de 2,4 milhões de empregos: quase quatro vezes mais. “Se você quiser saber o que aconteceu com a manufatura depois de 2000, a resposta claramente não é automação, é a China”, diz Dean Baker. “Temos tido déficits comerciais maciços, impulsionados principalmente pela manufatura, e vimos uma queda vertiginosa no número de empregos na indústria. Isto quer dizer que essas duas coisas não estão correlacionadas é loucura. ” (Em outras palavras, Donald Trump não estava totalmente errado sobre o que aconteceu com os empregos nas fábricas americanas.)


No entanto, a automação realmente destruirá muitos empregos atuais nas próximas décadas. Como diz a McAfee, “Quando se trata de coisas como IA, aprendizado de máquina e carros e caminhões autônomos, ainda é cedo. Seu impacto real ainda não será sentido por anos. ” O que não é óbvio, porém, é se o impacto dessas inovações no mercado de trabalho será muito maior do que o impacto maciço das melhorias tecnológicas no passado. Afinal, a terceirização do trabalho para as máquinas não é nova - é o motivo dominante dos últimos 200 anos de história econômica, do descaroçador de algodão à máquina de lavar e ao carro. Repetidamente, à medida que um grande número de empregos foram destruído, outros foram criados. E, repetidamente, temos sido terríveis em imaginar que tipos de novos trabalhos as pessoas acabariam fazendo.


Mesmo nossos medos sobre automação e informatização não são novos; eles ecoam de perto as ansiedades do final dos anos 1950 e início dos anos 1960. Os observadores também estavam convencidos de que a automação levaria ao desemprego permanente. O Comitê Ad Hoc sobre a Revolução Tripla - um grupo de cientistas e pensadores preocupados com o impacto do que era então chamado de cibernação - argumentou que "a capacidade das máquinas está aumentando mais rapidamente do que a capacidade de muitos seres humanos de acompanhar." A cibernética “quebrou o vínculo entre empregos e renda, exilando da economia um grupo cada vez maior de homens e mulheres”, escreveu WH Ferry, do Centro para o Estudo das Instituições Democráticas, em 1965. Mude “cibernação” para “automação ”Ou“ AI, ”e tudo o que poderia ter sido escrito hoje.


Sobre este momento histórico é que temos medo de dois futuros contraditórios ao mesmo tempo. Por um lado, somos informados de que os robôs estão vindo para o nosso trabalho e que sua produtividade superior transformará indústria após indústria. Se isso acontecer, o crescimento econômico disparará e a sociedade como um todo ficará muito mais rica do que é hoje. Mas, ao mesmo tempo, somos informados de que estamos em uma era de estagnação secular, presos a uma economia que está condenada a desacelerar o crescimento e estagnar os salários. Neste mundo, precisamos nos preocupar em como vamos sustentar uma população envelhecida e pagar pelos custos crescentes com saúde, porque não seremos muito mais ricos no futuro do que somos hoje. Ambos os futuros são possíveis. Mas os dois não podem se tornar realidade. Preocupar-se com a ascensão dos robôs e com a estagnação secular não faz nenhum sentido.


A ironia de nossa ansiedade com a automação é que, se as previsões sobre um futuro dominado por robôs se tornassem realidade, muitas de nossas outras preocupações econômicas desapareceriam. Um estudo recente da Accenture, por exemplo, sugere que a implementação da IA, amplamente definida, poderia elevar o crescimento anual do PIB nos EUA em dois pontos (para 4,6%). Uma taxa de crescimento como essa tornaria mais fácil lidar com o custo de coisas como a Previdência Social e o Medicare, e o preço crescente dos cuidados de saúde. Isso levaria a um crescimento mais amplo dos salários. E embora isso complicasse a questão de como dividir o bolo econômico, é sempre mais fácil dividir um bolo crescente do que um que diminui.


Infelizmente, o futuro que este estudo vislumbra parece estar muito distante. Para ter certeza, o fato de que os temores sobre a automação foram provados falsos no passado não significa que continuarão a sê-lo no futuro, e todos aqueles ciclos de feedback positivo há muito preditos, o crescimento exponencial podem aparecer abruptamente algum dia. Mas não é fácil ver como chegaremos lá tão cedo, dado o quão pouco as empresas estão investindo em novas tecnologias e a lentidão com que a economia está crescendo. Nesse sentido, o problema que enfrentamos não é que os robôs estão chegando e sim em que nós estamos nos tornando.


Saiba mais sobre nossas certificações internacionais:


Analista de Inovação: https://www.xper.social/cai

Gestor de Inovação: https://www.xper.social/cgi

Arquiteto de Inovação: https://www.xper.social/arquiteto


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

CHAPTERS BRASIL

 

SÃO PAULO - SP

AL SANTOS, 1165 Sala: 11
Bairro: Cerqueira Cesar
Cidade: São Paulo - SP
CEP: 01.419-002

Telefone: +55 11 4858-7978

CAMPINAS - SP

Endereço: R. Gustavo Armbrust, 36

CEP: 13092-106

Telefone: +55  (19) 99308-6873  (WhatsApp)

CAMBÉ - PR

Endereço: Rua Holanda, 252

CEP: 86.181-230

Telefone: +55  (43) 9  91907421 (WhatsApp)

POMERODE - SC

Endereço: Rua Presidente Costa e Silva, 203

CEP: 89.107-000

Telefone: +55  (47) 9  91816908 (WhatsApp)

XPER GLOBAL LIMITED

71-75 Shelton Street

Covent Garden

London - UK

WC2H 9JQER

Company number: 12786489

 

 

XPER BRASIL - GESTÃO EM INOVAÇÃO

TECNOLÓGICA LTDA.

FORTALEZA - CE

Endereço:  Av. Dom Luís, 807 - 21°. Andar - Meireles.

CEP: 60160-230.

Telefone: +55 (85)  99436-9081 (WhatsApp)

CNPJ: 33.173.492/0001-76 

CHAPTER PORTUGAL

VISEU - PT

Endereço: Praça D. João I, Lte 364 
Código Postal: 3510-376 

Telefone: +351 912 535 253 (WhatsApp)

CHAPTER AFRICA

CABO VERDE - AFRICA

BIC - Business Invubation Center, 100 - Palmarejo

Telefone:  +238 926 97 42 (WhatsApp)

  • Instagram
  • LinkedIn ícone social
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social
  • YouTube ícone social

© 2016 por XPER GLOBAL LIMITED - Todos direitos reservados

Prazo de entrega de produtos em até 15 dias uteis