Nas favelas do Brasil, e-sports são fonte improvável de esperança.

As comunidades mais pobres do país geralmente não têm acesso a equipamentos de tecnologia. As equipes que recrutam jogadores de baixa renda estão oferecendo outro caminho para a mobilidade econômica.

ILUSTRAÇÃO: PHELLIPE WANDERLEY



NA PERIFERIA das mais diversas cidades do Brasil estão os bairros que sobem colinas íngremes e se estendem por quilômetros. Esses bairros costumam ter uma estrutura precária - casas construídas lado a lado, sem ordem aparente, e apenas pequenos corredores mal iluminados. É nessas favelas que milhares de jovens brasileiros dedicam horas e horas de seus dias ao e-sports, com o sonho de se tornar um grande jogador.


As projeções apontam para um mercado que, em 2023, deverá ultrapassar US$ 1,5 bilhão , e no Brasil até times tradicionais de futebol como Vasco da Gama e Flamengo começaram a montar times de e-sports em jogos como League of Legends e Pro Evolution Soccer . Os atletas de topo podem ganhar milhões de dólares em prêmios, enquanto o salário médio de um profissional de League of Legends ultrapassa os US$ 400.000 por ano .


O Brasil é um país extremamente desigual, com um imenso abismo social - cerca de 25% da população brasileira é considerada pobre, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. A desigualdade social no Brasil, de acordo com o índice de Gini (usado pelo Banco Mundial para medir a desigualdade entre países ou grupos de pessoas), aumentou nos últimos anos. Em regiões como o Nordeste, quase metade da população vive em extrema pobreza com menos de US$ 1,90 por dia. Essa desigualdade também se reflete na indústria de esportes eletrônicos do país.


Os itens básicos de que um atleta e-sport ou streamer precisa, como acesso à internet e equipamentos de qualidade - nem sempre estão disponíveis para quem mora nas favelas. Em um ambiente extremamente competitivo, onde frações de segundo podem fazer toda a diferença e levar à vitória, uma internet lenta e equipamentos desatualizados podem ser fatais para o sucesso. Existem imensas diferenças entre aqueles que vivem na favela e aqueles no "asfalto" - isto é, pessoas que vivem fora de comunidades pobres, que têm acesso a melhores escolas, serviços de saúde e maior poder de compra, e que muitas vezes desaprovam aqueles que vivem na favela.

A maioria dos brasileiros do asfalto tem medo ao passar perto de uma favela, muitas vezes pensando imediatamente em violência e drogas, por causa de como as favelas são mencionadas na midia, segundo pesquisa realizada em 2015 pela Agência Brasil , agência de notícias pública do governo. Em comparação, 65% por cento dos moradores de favelas disseram ter sido vítimas de preconceito por parte dos que vivem no asfalto.


Para atletas de e-sports nas favelas, existem vários obstáculos que eles devem superar para competir em alto nível. Desde o acesso à internet, como dados de celular e uma conexão confiável, até o esquecimento de disputas entre criminosos, traficantes, polícia e até milícias.


Atletas de e-sports no Brasil "costumam jogar usando o wi-fi da casa de amigos, sempre driblando as dificuldades", diz Preto Zezé, presidente do Centro Unificado de Favelas (CUFA) - uma ONG criada em 1999 por jovens que moram em favelas para promover atividades culturais, artísticas e esportivas e para a melhoria das condições de vida da comunidade.


Quem mora no asfalto muitas vezes não tem essas dificuldades, pois tem uma boa conexão com a internet e não precisa balancear o tempo entre os empregos e nem mesmo tem medo de batidas policiais e balas perdidas, como é o caso de quem mora em favela. “Enquanto no asfalto está tudo garantido, na favela, para poder jogar, há várias barreiras e passos a serem tomados”, acrescentou Zezé.

Superando a desigualdade por meio dos e-sports


Aos 25 anos, Raffael Simão, que atende no jogo como “Dexter”, mora em um bairro pobre do interior de São Paulo. Ele enfrentou uma série de dificuldades em sua vida antes de ser contratado pela equipe de e-sports Zero Gravity no ano passado, para ser um streamer Fortnite (embora ele também participe de torneios). Antes, ele acordava às 5 da manhã para trabalhar das 6h às 18h como porteiro, fazendo tudo "amador", conta, e contando com o apoio da família para poder comprar os equipamentos.


Dexter estava lutando para sobreviver. Sua esposa tem um problema renal e faz hemodiálise. Em setembro de 2019, ele postou no Twitter "pedindo ajuda para conseguir um plano de saúde para minha esposa porque com o salário que eu ganhava não podia pagar", diz ele. "Algumas pessoas da comunidade Fortnite se reuniram e ajudaram". Ele assinou com a Zero Gravity para melhorar a qualidade de seus streams e para a visibilidade que poderia ganhar na comunidade Fortnite .

“Zero Gravity entrou na minha vida para dar o suporte de que eu precisava - eles pagam o seguro médico da minha esposa, eles pagam o meu salário e eu sigo várias regras - eu tenho horas de produção de vídeo obrigatória por mês. Mas eles me deram a primeira chance nos esportes eletrônicos, eles me deram um computador - eu [anteriormente] jogava em um PS4 e uma TV manchada - para que eu pudesse trabalhar ", diz Dexter.


Os desafios que ele enfrentou não são incomuns para pessoas que vivem em comunidades pobres. “Acho que essa é a parte difícil”, diz Dexter, sobre a compra de equipamentos. Para quem mora na favela, é uma compra cara e que muitas vezes leva muito tempo para ser realizada. “Para nós, da favela, tudo é mais difícil de se conseguir”.

Mas, diz ele, “a vontade de se dedicar, de querer cada vez mais é o nosso diferencial, queremos vencer e mostrar ao mundo que a favela - e os moradores da favela - podem chegar onde o povo do asfalto já está”.

Por conta dessas situações econômicas e sociais, algumas iniciativas buscam amenizar esses problemas, ou pelo menos dar esperança aos jovens atletas.


Iniciativas e Competição: Campeonato para Mudança


A Zero Gravity foi fundada em 2019 por Glauber Molinari e sua esposa, Hanna Rocha. O objetivo era ser igual a todas as outras equipes de e-sports, exceto por uma coisa: “Nós só contratamos jovens moradores de favelas e de baixa renda”, explica Molinari. “Percebemos que no cenário competitivo havia uma bolha que não permitia jovens de baixa renda entrar no esports de frente. Então, decidimos que nossa organização seria um projeto social. ”

Com a ideia de investir em jogadores, Molinari decidiu apoiar, no final do ano passado, outro projeto que visava promover e-sports nas favelas brasileiras - a Favelas Cup (Copa das Favelas).


Organizada pela Rocketz, empresa de comércio de computadores e acessórios, Matiz, empresa de eventos, e pelos responsáveis ​​pelo PerifaCon, evento anual de favelas, a Favelas Cup recebeu 12 times de todo o país para disputar o jogo Free Fire . Mais de 120.000 pessoas assistiram ao evento ao vivo.

“Procurei um dos dirigentes da Copa para tentar patrociná-la dando ao MVP do campeonato uma vaga como jogador profissional de Free Fire ”, diz Molinari, acrescentando que foi “certamente uma das melhores parcerias que nós temos feito." Quase ao mesmo tempo que a Favelas Cup estava sendo realizada, outro grande evento esportivo centrado em favelas, o Favelas Bowl (Taça das Favelas), organizado pela CUFA, estava acontecendo.


O Favelas Bowl existe há mais de 10 anos, mas o futebol é o jogo preferido, não o e-sport. “Com a pandemia, não foi mais possível fazer a competição. Então decidimos ir por outro caminho, apostar em outro tipo de esporte, mas que tivesse muita aderência à favela e pudesse preencher uma lacuna ”, diz Marcus Atahyde, diretor do Free Fire Favelas Bowl e também diretor de inovação da CUFA.

Mais de 50.000 pessoas se inscreveram para o Favelas Bowl, de mais de 100 favelas de todo o Brasil, em uma competição criada para “mostrar a força da favela, a qualidade dos times e jogadores”, diz Athayde. “Então quebramos esse paradigma e mostramos que também temos talento na favela em qualquer tipo de jogo.”


As duas competições reuniram centenas de jovens de todo o país para jogar Free Fire , com a competição transmitida pelo Twitch e, no caso do Favelas Bowl, a final foi transmitida em um dos maiores canais de TV a cabo do Brasil, o SporTV. O objetivo da CUFA era dar visibilidade aos jogadores, distribuir prêmios e até mesmo facilitar a entrada dos melhores jogadores em times profissionais - e, como aconteceu com Dexter, ou seja, mudar suas vidas.


“A ideia do campeonato foi sensacional e, quando vi, tive muita vontade de participar”, diz o paulista Bruno Santos. Ele é o gerente do Brazilian Free Fire equipe para a organização do jogo profissional americano Team Liquid e foi o comentarista da Copa Favelas. “Foi um privilégio.”

“A missão da competição é chegar ao maior número de comunidades do Brasil, oferecendo campeonatos de e-sports e incentivando crianças e adolescentes a entrar no mundo da tecnologia e da inovação”, afirma Deylanne Nayara, anfitriã do Favelas Cup, que também é streamer. A competição atingiu “cerca de 100 favelas em todo o país, com 200 times inscritos e um total de 800 jogadores. Destas favelas, a competição teve um sorteio para selecionar as 12 equipes que finalmente competiram.”

Embora não seja da favela, negra Nayara enfrentou muitas dificuldades.

“Ser mulher em um ambiente sexista já é exaustivo e ser negra também ... ainda estamos na base da pirâmide social e sempre tendo que provar nosso valor”, diz ela.

Após as competições, Molinari assinou com o MVP da Favelas Cup , Kaique Gabriel Machado, ao Zero Gravity. Já os companheiros do Team SI, todos paulistas, conquistaram contratos para disputar o Zero Gravity, na terceira divisão do campeonato.

Dois jogadores do time vencedor do Favelas Bowl, da favela da Divinéia, no Paraná, também foram contratados por times profissionais. Pedro Paulo “Diniz.av” Alves foi contratado pela Seleção Brasileira Sintonia e Gustavo “Gusta.tx” Nunes, o MVP da final, foi contratado pelo Team NewX Gaming . Os dois vão jogar na segunda divisão da próxima Liga Nacional de Free Fire.

Athayde diz que “o maior impacto na vida desses jovens, além do ganho financeiro para os que terminaram primeiro, foi a valorização dos atletas do e-sport.” Anteriormente, apenas aqueles que jogavam futebol eram valorizados - eles eram informados de que o futebol poderia garantir-lhes um futuro. “Agora eles enxergam oportunidades [nos e-sports] e ganham reconhecimento na favela, e a favela reconhece como eles jogam e para onde podem ir.”


Por que Free Fire ?


Free Fire , um jogo no estilo Battle Royale, foi escolhido para as duas competições porque é gratuito e roda em qualquer telefone Android ou Apple. Não requer equipamentos de última geração, o que o torna o jogo perfeito para jogadores de favelas, segundo o técnico do Free Fire do Team Liquid, Bruno Santos.

Mundialmente, Free Fire tem mais de 450 milhões de downloads e 80 milhões de usuários ativos por dia, e no Brasil foi o jogo mais baixado em 2020.

Free Fire é o game mais jogado no Brasil, principalmente nas favelas”, diz Athayde.

Por não exigir equipamentos de última geração, não há diferenças notáveis ​​entre o favela e o asfalto, diz Santos. Em julho do ano passado, a final da Pro League Free Fire , a maior competição brasileira, atraiu um grande público com um pico de 800 mil pessoas assistindo simultaneamente, uma das maiores audiências do YouTube do país para um evento ao vivo.

Em meio à pandemia e ao isolamento social, o número de fãs de e-sports e atletas cresceu, e os que vivem na favela lutam por espaço e reconhecimento - às vezes até de membros de suas próprias famílias. “Foi muito difícil para mim obter a aprovação de meus pais para ser um streamer porque eles pensaram que eu deveria estudar, fazer cursos e trabalhar”, diz Dexter.


“Mostrei a eles que era diferente, que poderia trabalhar e conquistar meu espaço no mundo do e-sport. Pessoas que são da favela, da comunidade, é difícil sair do 'padrão' e ser grande ”, continua Dexter. O padrão nas favelas é conseguir um emprego só para sobreviver, alguém da favela fazendo sucesso é quebrar esse ciclo e melhorar efetivamente sua vida.


Por meio de streaming e e-sports, os jogadores nas favelas podem mostrar seu "potencial - dentro do jogo, dentro da comunidade - e você pode mostrar às outras pessoas na favela que é possível chegar a algum lugar", diz Dexter.

Saiba mais sobre nossas certificações internacionais:


Analista de Inovação: https://www.xper.social/cai

Gestor de Inovação: https://www.xper.social/cgi

Arquiteto de Inovação: https://www.xper.social/arquiteto

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

CHAPTERS BRASIL

 

SÃO PAULO - SP

Endereço: Rua Vergueiro, 1061 - 7°. Andar - Liberdade.

CEP:01504-001.

Telefone: +55  (11) 9933734948 (WhatsApp)

CAMPINAS - SP

Endereço: R. Gustavo Armbrust, 36

CEP: 13092-106

Telefone: +55  (19) 99308-6873  (WhatsApp)

CAMBÉ - PR

Endereço: Rua Holanda, 252

CEP: 86.181-230

Telefone: +55  (43) 9  91907421 (WhatsApp)

POMERODE - SC

Endereço: Rua Presidente Costa e Silva, 203

CEP: 89.107-000

Telefone: +55  (47) 9  91816908 (WhatsApp)

XPER GLOBAL LIMITED

71-75 Shelton Street

Covent Garden

London - UK

WC2H 9JQER

Company number: 12786489

 

 

XPER BRASIL - GESTÃO EM INOVAÇÃO

TECNOLÓGICA LTDA.

FORTALEZA - CE

Endereço:  Av. Dom Luís, 807 - 21°. Andar - Meireles.

CEP: 60160-230.

Telefone: +55 (85)  99436-9081 (WhatsApp)

CNPJ: 33.173.492/0001-76 

CHAPTER PORTUGAL

VISEU - PT

Endereço: Praça D. João I, Lte 364 
Código Postal: 3510-376 

Telefone: +351 912 535 253 (WhatsApp)

CHAPTER AFRICA

CABO VERDE - AFRICA

BIC - Business Invubation Center, 100 - Palmarejo

Telefone:  +238 926 97 42 (WhatsApp)

  • Instagram
  • LinkedIn ícone social
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social
  • YouTube ícone social

© 2016 por XPER GLOBAL LIMITED - Todos direitos reservados

Prazo de entrega de produtos em até 15 dias uteis