top of page

Parte 03 - Relatório sobre o futuro dos empregos 2023 - 2027

Perspectivas de emprego



As macrotendências e a tecnologia devem conduzir a uma perspectiva mista de criação e destruição de empregos nos próximos cinco anos, em todas as categorias de trabalho e setores.

Este capítulo usa o conceito de rotatividade do mercado de trabalho para ajudar a quantificar a mudança esperada nos mercados de trabalho. Em particular, os resultados da Pesquisa ajudam a quantificar a rotatividade estrutural do mercado de trabalho, que resulta de mudanças na estrutura de emprego das empresas quando novas funções são criadas ou funções existentes são eliminadas (isso exclui mudanças de emprego em que um novo funcionário substitui um existente no mesmo cargo papel). Consequentemente, a análise deste capítulo estima a rotatividade usando mudanças estruturais antecipadas relatadas pelas empresas pesquisadas na composição de suas forças de trabalho entre 2023 e 2027.


A rotatividade do mercado de trabalho e o ritmo da transformação


A rotatividade do mercado de trabalho refere-se ao ritmo de realocação de trabalhadores e empregos. A pesquisa fornece informações sobre a rotatividade estrutural do mercado de trabalho; ou seja, o número de novos empregos esperados, mais o número de funções que se espera que sejam substituídas durante o período, dividido pelo tamanho da força de trabalho em questão. O churn estrutural não inclui o churn natural de trabalhadores que se deslocam entre empregos por motivos pessoais. A rotatividade estrutural de cinco anos é estimada para cada trabalho somando as magnitudes absolutas de suas mudanças relatadas na fração da força de trabalho de agora até 2027, relatadas pelos entrevistados na Pesquisa sobre o Futuro dos Empregos, e dividindo pelas frações somadas da força de trabalho hoje, relatadas pelos entrevistados na Pesquisa sobre o Futuro do Emprego. Pode ser interpretado como uma medida geral de disrupção, tanto de crescimento quanto de declínio.


No geral, este relatório estima uma rotatividade estrutural média do mercado de trabalho de 23% para as empresas pesquisadas em todos os setores e países nos próximos cinco anos (consulte a Figura 3.1). Isso indica que a movimentação total esperada de empregos, incluindo a criação de novas funções e a destruição das funções existentes, representa 23% da força de trabalho atual.

Essa descoberta ajuda a ilustrar situações em que mudanças relativamente modestas nos números líquidos de empregos em um país ou setor podem mascarar parcialmente grandes reconfigurações subjacentes em um mercado de trabalho agitado.




As expectativas futuras de churn para os próximos 5 anos provavelmente continuarão a reconfiguração estrutural em curso dos mercados de trabalho. No Capítulo 1, este relatório identificou o nível de emprego abaixo dos níveis de 2019 em Alojamento, Alimentação e Lazer; Manufatura; Varejo e atacado de bens de consumo; Cadeia de suprimentos e transporte; e Mídia, Entretenimento e Esportes.

A análise de rotatividade deste relatório sugere uma rotatividade maior que a média de 2023 a 2027 nas indústrias de Cadeia de Suprimentos e Transporte e Mídia, Entretenimento e Esportes, onde os entrevistados estimam que a rotatividade estrutural de cinco anos seja de 29% e 32%, respectivamente, mas inferior à rotatividade média em Alojamento, Alimentação e Lazer; Manufatura e Varejo; e Comércio por grosso de bens de consumo (ver Figura 3.2). Prevê-se também um churn relativamente elevado nas Telecomunicações e Media,


Empregos em crescimento e declínio


O crescimento líquido ou declínio de postos de trabalho pode ser estimado de forma semelhante ao churn. A Figura 3.3 mostra como as empresas pesquisadas esperam que os empregos cresçam ou diminuam mais rapidamente, como proporção de sua força de trabalho existente. Os especialistas em IA e aprendizado de máquina estão no topo da lista de empregos em rápido crescimento, seguidos pelos especialistas em sustentabilidade e analistas de inteligência de negócios. A maioria das funções que mais crescem na lista são funções relacionadas à tecnologia. A maioria das funções em declínio mais rápido são funções de escritório ou secretariado, com caixas de banco e funcionários relacionados, funcionários de serviços postais e caixas e funcionários de bilhetes que devem diminuir mais rapidamente.




Muitas das funções que devem crescer e diminuir mais rapidamente, em relação à sua proporção atual na força de trabalho, são consistentes com as descobertas publicadas em relatórios anteriores do Future of Jobs em 2016, 2018 e 2020, sinalizando uma reconfiguração estrutural do mercado de trabalho. mercados com suas raízes na adoção tecnológica e automação (consulte o Capítulo 2). Essas funções emergentes que foram destacadas em todos os quatro relatórios incluem Analistas/Cientistas de Dados, Especialistas em IA e Machine Learning e Especialistas em Transformação Digital, enquanto funções em declínio incluem Escriturários de Entrada de Dados; Secretários Executivo e Administrativo; e Escriturários de Contabilidade, Escrituração e Folha de Pagamento.


Para aproximar o impacto total do crescimento e declínio do emprego, este relatório compara previsões de crescimento proporcional com estimativas do número total de trabalhadores nessas funções com base nos dados da OIT para os países em que os dados estão disponíveis. Usando este método como um meio para obter uma extrapolação indicativa do tamanho da força de trabalho global, o conjunto de dados do Futuro dos Empregos corresponde a 673 milhões de trabalhadores no conjunto completo de dados da OIT de 820 milhões de trabalhadores (ver Figura 3.1). A Pesquisa sobre o Futuro dos Empregos não está estruturada de forma a derivar estimativas para os 147 milhões de trabalhadores restantes, pois os setores que empregam esses trabalhadores em grande número não poderiam ser pesquisados ​​em número suficientemente grande para poder relatar previsões confiáveis.


OIT significa Organização Internacional do Trabalho. É uma agência especializada das Nações Unidas que trata de assuntos relacionados ao trabalho, emprego e condições de trabalho em todo o mundo. A OIT foi fundada em 1919 e tem sede em Genebra, na Suíça.
A missão da OIT é promover o trabalho decente para todos, buscando garantir condições de trabalho justas, seguras e saudáveis, promover a liberdade sindical e a negociação coletiva, combater o trabalho infantil e o trabalho forçado, e promover a igualdade de oportunidades e tratamento no trabalho.
A OIT desenvolve normas internacionais do trabalho, que são adotadas pelos seus Estados-membros e servem como referência para a elaboração de legislações trabalhistas nos países. Além disso, a organização realiza pesquisas, oferece assistência técnica aos países e promove o diálogo social entre governos, empregadores e trabalhadores.
No Brasil, a OIT atua em parceria com o governo e outras instituições para promover o trabalho decente e melhorar as condições de trabalho no país. A organização tem programas e projetos específicos para combater o trabalho infantil, promover a igualdade de gênero no trabalho, fortalecer a proteção social e promover a segurança e saúde no trabalho, entre outras áreas.

O conjunto de dados da OIT é menor do que as estimativas modeladas da OIT de um total de aproximadamente 1. 7 bilhões de trabalhadores em todo o mundo quando as lacunas de dados em nível de país são extrapoladas e menores do que os estimados 3,3 bilhões de trabalhadores em empregos formais ou informais. As conclusões derivadas desse subconjunto de dados não devem, portanto, ser tratadas como abrangentes, mas fornecem informações úteis sobre segmentos selecionados da força de trabalho.

As Figuras 3.4 e 3.5 apresentam dados sobre empregos que devem ter o maior crescimento e declínio absolutos, e os resultados da pesquisa sugerem que o maior crescimento de 2023 a 2027 será para Operadores de Equipamentos Agrícolas, Motoristas de Ônibus e Caminhões Pesados ​​e Professores de Educação Profissional. Escriturários de entrada de dados; Secretários Administrativo e Executivo; e Espera-se que os funcionários de contabilidade, contabilidade e folha de pagamento sofram a maior redução no emprego. Combinadas, essas três funções representam mais da metade da destruição total esperada de empregos.




No geral, nossa análise sugere que 69 milhões de empregos serão criados e 83 milhões de empregos destruídos, levando a uma contração dos mercados de trabalho globais de 14 milhões de empregos nos próximos cinco anos no atual ritmo de mudança, embora este número esteja sujeito a um alto grau de incerteza, pois não é holístico. A soma dessas mudanças produz a rotatividade estrutural geral estimada do mercado de trabalho de 23% da atual força de trabalho global que os dados são capazes de cobrir.


A Figura 3.6 plota essas estimativas absolutas de crescimento líquido versus rotatividade para cada função para a qual a pesquisa tem dados suficientes. Espera-se que os empregos que aparecem no topo do gráfico estejam crescendo, em números absolutos maiores, enquanto aqueles na parte inferior do gráfico devem estar diminuindo, em números absolutos maiores.


Espera-se que os empregos agrupados em torno de crescimento líquido zero se transformem nos próximos cinco anos, com empregos deslocados sendo substituídos por empregos recém-criados em números aproximadamente iguais. A fração do número total de empregos que se espera que ocorra entre o deslocamento e a criação aumenta ao longo do eixo horizontal. Como o conceito de rotatividade do mercado de trabalho não distingue entre criação de empregos e deslocamento de empregos, os empregos também podem divergir para a criação substancial de empregos esperados no canto superior direito da figura ou deslocamento substancial de empregos esperados no canto inferior direito da figura.

A ausência de pontos de dados com crescimento líquido zero e rotatividade zero mostra que os entrevistados esperam que nenhum emprego experimente estabilidade no mercado de trabalho nos próximos cinco anos. A maioria das ocupações nos setores cobertos pelo conjunto de dados da pesquisa deve, no momento, experimentar uma relativa estabilidade nos números gerais de empregos, mas uma rotatividade estrutural entre 10% e 40% nos próximos cinco anos.



Ao analisar os padrões de crescimento, declínio e rotatividade de empregos, surgem sete grupos de empregos relacionados, sendo impactados coletivamente por tendências semelhantes, positiva ou negativamente. As seções a seguir exploram os desenvolvimentos nesses sete grupos de trabalho.


Acesso digital e empregos habilitados para comércio digital


Conforme observado no Capítulo 2, 86% dos entrevistados esperam que a ampliação do acesso digital transforme sua organização, com 52% esperando que isso gere crescimento de empregos e 19% esperando um declínio como resultado. Quando combinado com dados sobre tendências de empregos, isso parece impulsionar as expectativas de crescimento de empregos relacionados ao comércio digital e uma redução nas funções em que interações globais mais digitalizadas fazem com que aspectos de serviços presenciais e manutenção de registros se tornem menos necessários.


Por exemplo, especialistas em comércio eletrônico, especialistas em transformação digital e especialistas em marketing e estratégia digital devem aumentar de 25 a 35%, levando a um aumento de 2 milhões de empregos. No entanto, essa expectativa de crescimento não é consistente entre as regiões, com o sul da Ásia esperando que essas funções cresçam mais rapidamente, acima de 30%, e a África Subsaariana o mais lento, com 15%. Os entrevistados esperam que esse crescimento, em média, seja mais rápido para especialistas em transformação digital na China (32%) e mais lento no Japão (23%).


O declínio das funções presenciais e de manutenção de registros é consistente em todos os setores, mas mais pronunciado em Tecnologia da Informação e Comunicações Digitais, em cerca de 50%, Serviços Financeiros (cerca de 40%) e Cadeia de Suprimentos e Transporte (cerca de 40%). ). Outras indústrias que mostram um declínio relativamente consistente incluem Educação e Treinamento (~30%), Energia e Materiais (~35%), Infraestrutura (~20%), Manufatura (~30%), Serviços Profissionais (~30%) e Varejo e Atacado de Bens de Consumo (~20%).


Mais especificamente, os entrevistados esperam ver uma demanda 25-35% menor para caixas e balconistas; Escriturários de entrada de dados; Escriturários de Contabilidade, Escrituração e Folha de Pagamento; e Secretários. A tendência para os digitadores é consistente em todo o mundo, mas é particularmente pronunciada no Brasil (46%) e um pouco menos prevalente em alguns países de alta renda, como Alemanha, Estados Unidos, Cingapura e Reino Unido, em torno de 25%. Semelhante a Contabilidade, Contabilidade e Escriturários, essa tendência é global, mas particularmente pronunciada no Japão, Itália e Estados Unidos. Como atualmente são ocupações populares, essas expectativas podem resultar em um declínio de 26 milhões de empregos em todo o mundo.


Trabalhos de transição energética e mitigação das mudanças climáticas


Outra área que os entrevistados da pesquisa esperam crescer rapidamente, que atualmente emprega um número relativamente pequeno de pessoas, são os empregos em energia renovável e aqueles relacionados à mitigação das mudanças climáticas. Isso se reflete em expectativas quase universais de crescimento para engenheiros de energia renovável e engenheiros de instalação e sistema de energia solar entre os entrevistados que identificaram essas funções como comuns em suas organizações.


O mesmo se aplica aos Especialistas em Sustentabilidade e aos Profissionais de Proteção Ambiental que deverão crescer 33% e 34% respetivamente, traduzindo-se num crescimento de cerca de 1 milhão de postos de trabalho. Isso está de acordo com as expectativas dos líderes empresariais para a transição verde e os investimentos em mitigação climática para impulsionar o crescimento do emprego, conforme descrito no Capítulo 2.


Tendências nos empregos verdes


Em colaboração com LinkedIn

Empregos verdes e uma força de trabalho com as habilidades necessárias para preenchê-los são essenciais para atingir as metas climáticas. Com base nos dados fornecidos pelo LinkedIn, o relatório Future of Jobs deste ano avalia como empregadores e funcionários estão respondendo à transição verde. Os empregadores aumentaram as taxas de contratação de empregos verdes, com o crescimento ano a ano superando o crescimento geral da taxa de contratação todos os anos desde 2019, conforme mostrado na Figura B3.1. Isso resultou em cargos de sustentabilidade representando três das dez funções de crescimento mais rápido na plataforma LinkedIn nos últimos quatro anos, incluindo Analistas de Sustentabilidade, Especialistas em Sustentabilidade e Gerentes de Sustentabilidade. Enquanto isso, a proporção da força de trabalho que relata habilidades verdes está aumentando para atender ao aumento da demanda, crescendo quase 40% desde 2015, de 9% para 13%.



Com base nos dados do LinkedIn, descobrimos que os setores de Manufatura e Petróleo e Gás têm os níveis mais altos de intensidade de habilidades verdes. Este é um sinal encorajador, pois pode permitir uma abordagem liderada por habilidades verdes para descarbonizar essas indústrias de emissões intensivas. Isso é consistente nos 50 países incluídos na análise, com Áustria, Alemanha, Itália, Estados Unidos e Espanha liderando o setor de Manufatura, enquanto Índia, Estados Unidos e Finlândia aparecem no topo da lista de Petróleo e Gás.


Com os governos desempenhando um papel fundamental na condução e facilitação da transição verde, países como Austrália, Argentina, Suécia, Holanda e Estados Unidos estão liderando a intensidade de habilidades verdes no governo e no setor público. Essa intensidade relativamente alta de habilidades verdes pode permitir que esses países acelerem sua transição verde. Os setores com menor intensidade de habilidades verdes incluem Finanças, Tecnologia e Informação e Mídia.


Trabalhos de tecnologia avançada


A adoção de tecnologias de ponta também está impulsionando o crescimento do emprego em três famílias de empregos que atualmente não empregam um grande número de pessoas:

Um aumento de 30-35% (1,4 milhão) na demanda por cargos como analistas e cientistas de dados, especialistas em big data, analistas de inteligência de negócios, profissionais de banco de dados e rede e engenheiros de dados, impulsionados por avanços e crescimento na adoção de tecnologias de ponta que dependem de big data.


Essa expectativa de crescimento nessas funções é comum em todos os países, mas é particularmente prevalente na China, onde o crescimento deve ficar próximo a 45%. Os setores que esperam um alto crescimento nessas funções incluem Serviços Financeiros (31%), Varejo e Atacado de Bens de Consumo (37%) e Cadeia de Suprimentos e Transporte (42%), enquanto as expectativas são mais comedidas para Tecnologia da Informação e Comunicações Digitais, em apenas 8%.


Espera-se que a demanda por especialistas em IA e aprendizado de máquina cresça 40%, ou 1 milhão de empregos, à medida que o uso de IA e aprendizado de máquina impulsiona a transformação contínua do setor. Pesquisas recentes sobre IA generativa indicam que ela pode afetar uma proporção significativa do total de tarefas do trabalhador. No entanto, isso não distingue entre tarefas aumentadas e automatizadas. Esta pesquisa também descobriu que é mais provável que isso afete cargos com salários mais altos e empregos com maiores barreiras à entrada.


Um aumento de 31% na demanda por analistas de segurança da informação, levando a 0,2 milhão de empregos adicionais. Isso é impulsionado pelo aumento da adoção de criptografia e segurança cibernética, que se alinha com as conclusões do Relatório de Riscos Globais de 2023 do Fórum Econômico Mundial que o cibercrime generalizado e a insegurança cibernética são um dos 10 principais riscos globais, tanto a curto quanto a longo prazo – e ainda há uma escassez global atual de 3 milhões de profissionais de segurança cibernética.

Trabalhos de educação


Espera-se que os empregos na indústria Educação cresçam cerca de 10% durante o período 2023–2027.


Com muitas pessoas empregadas nessas funções, esse crescimento pode levar a 3 milhões de empregos adicionais para professores de educação profissional e professores universitários e superiores no período de 2023-2027.

Esse crescimento é particularmente prevalente em países fora do G20, onde se espera que seja cerca de 50% maior do que nos países do G20. As limitações na amostra do Futuro dos Empregos para organizações que operam no setor de Educação e Treinamento indicam cautela ao interpretar esses números.

Dois impulsionadores potenciais para o crescimento dessas funções são: a alta taxa de adoção de tecnologias de educação e desenvolvimento da força de trabalho identificadas no Capítulo 2 e os esforços das organizações para fechar as lacunas de habilidades em suas forças de trabalho (consulte o Capítulo 5).


Se a previsão de crescimento dos entrevistados da pesquisa em empregos educacionais se materializar nos próximos cinco anos, isso continuará a tendência em empregos sociais que os mercados de trabalho em todo o mundo testemunharam nos últimos três anos, conforme destacado pela pesquisa realizada pelo Indeed para o Future of Jobs deste ano Relatório (3.2).


Empregos na agricultura


Espera-se que os empregos para profissionais agrícolas, especialmente Operadores de Equipamentos Agrícolas, tenham um aumento de 30%. Dados os atuais níveis de emprego para essas funções, isso pode levar a 3 milhões de empregos adicionais. Esse aumento da demanda pode ser impulsionado pelo efeito combinado de várias tendências, como o encurtamento das cadeias de suprimentos e o aumento dos custos de insumos, bem como o aumento do uso de tecnologias agrícolas e o aumento dos investimentos na adaptação às mudanças climáticas. Muitos trabalhadores agrícolas estão empregados em organizações que estão sub-representadas na Pesquisa sobre o Futuro dos Empregos, portanto, esses números também devem ser interpretados com cuidado. Esses trabalhadores também podem esperar ser menos afetados pela IA generativa, de acordo com pesquisas sobre o impacto de modelos de linguagem ampla no mercado de trabalho.


Reparadores, operários de fábrica e operários


Com impactos incertos do aumento da aceitação de tecnologias de ponta e robôs não humanóides, como drones e automação industrial (consulte o Capítulo 2), há uma perspectiva mista para mecânicos e reparadores de máquinas, trabalhadores da construção civil e trabalhadores de montagem e fábricas.


Para Mecânicos e Reparadores de Máquinas, quase tantos entrevistados esperam uma perspectiva de declínio quanto de crescimento. No entanto, o tamanho relativo do crescimento e declínio que os entrevistados esperam, e o grande emprego total na função, significa que esta é uma das funções de maior crescimento em termos absolutos, com cerca de 1,9 milhão de empregos adicionais esperados.

Este crescimento está concentrado em países não pertencentes ao G20, onde se espera que seja de cerca de 17%, enquanto os países do G20 esperam ver um declínio líquido de 1%. O quadro regional é misto, com os empregadores na Europa esperando um crescimento líquido de 8%, enquanto os do sul da Ásia esperam ver um declínio líquido de 9%.


Para os Trabalhadores da Construção, mais entrevistados esperam que a função diminua do que cresça, no entanto, o tamanho relativo dessas mudanças significa que esperamos ver demanda para mais 1 milhão de trabalhadores. Também é esperado que haja uma rotatividade significativa entre empregos e empregadores.

Para os Trabalhadores das Montadoras e Fábricas, os entrevistados esperam uma redução na demanda de 5%, o que poderia reduzir essa força de trabalho em cerca de 2 milhões de postos de trabalho. Essa redução é impulsionada pela queda na demanda das indústrias de Manufatura Avançada e Eletrônica – especialmente na China, Japão, Cingapura e Reino Unido. Esses trabalhadores podem, no entanto, ser protegidos de alguns dos impactos da IA ​​generativa, pois espera-se que as funções de fabricação sejam menos propensas à automação dessa tecnologia.


Cargos de cadeia de suprimentos e logística


Outro grupo de trabalho que enfrenta expectativas de crescimento e declínio de empregos são os cargos ligados à Logística. Espera-se que a localização das cadeias de abastecimento seja um dos maiores contribuintes brutos para o crescimento do emprego, mas também um importante deslocador de empregos. Enquanto isso, espera-se que a escassez de oferta e o aumento dos custos de insumos sejam um grande deslocador de empregos – perdendo apenas para uma desaceleração econômica global. Como resultado, o relatório mostra que alguns empregadores esperam contratar mais caminhoneiros pesados ​​e motoristas de ônibus, enquanto outros esperam reduzir essa força de trabalho.

No total, os entrevistados esperam um aumento líquido de 2 milhões, ou 12,5% dessa força de trabalho. Esse crescimento esperado pode agravar a atual escassez de Drivers descrita no Capítulo 1 deste relatório. Em contraste, as expectativas em relação aos motoristas de carros, vans e motocicletas diferem entre os entrevistados, mas, no geral, observam uma queda líquida de 0. 6 milhões (4%). Os especialistas em logística, assim como os caminhoneiros leves, devem ter pequenos aumentos líquidos.


CAIXA 3.2 A pandemia impulsionou um crescimento mais rápido dos empregos sociais (em colaboração com o Indeed)


Em colaboração com a verdade

Os empregos sociais – aqueles em Cuidados, Educação e Saúde – desempenham um papel vital no bem-estar da sociedade, permitindo a mobilidade social, garantindo o capital humano e fortalecendo a resiliência social. À medida que o mundo enfrenta uma população global crescente e envelhecida, a importância dos empregos sociais sem dúvida aumentará.

A pesquisa conduzida pelo Indeed para este relatório descobriu que as ofertas de emprego cresceram significativamente para empregos sociais e outros desde a pandemia. Comparando o crescimento relativo dos empregos sociais e outros, podemos entender as mudanças na composição dos empregos.


A Figura B3.2.1 mostra o crescimento relativo dos três segmentos de empregos sociais (Cuidados, Educação e Saúde) em comparação com todos os outros empregos. Em 15 dos 22 países analisados, os empregos sociais cresceram mais rapidamente do que outros empregos. Isso é predominantemente impulsionado pelos empregos na área da saúde e assistência, que cresceram mais rapidamente do que outros empregos em 16 dos 22 países – refletindo a importância crítica desses empregos durante a pandemia do COVID-19. Os empregos na educação, por sua vez, cresceram mais rápido do que outros empregos em 12 dos 20 países.





Dados adicionais revelam que França, Irlanda e Bélgica mostram um crescimento particularmente forte do emprego social em relação a outros países, enquanto Brasil, Emirados Árabes Unidos e Índia estão entre os sete países onde o crescimento do emprego foi mais lento para empregos sociais do que para empregos não sociais.




9 visualizações0 comentário

Kommentare

Mit 0 von 5 Sternen bewertet.
Noch keine Ratings

Rating hinzufügen
bottom of page