top of page

O infame relatório de 1972 que alertou sobre o colapso da civilização

The Limits to Growth argumentou que a poluição desenfreada e a extração de recursos estavam levando a Terra ao limite. Como se mantém 50 anos depois?


Fonte: Wired Magzine



A MODELAGEM COMPUTACIONAL deixou claro: se as pessoas continuassem a extrair recursos finitos em excesso, poluir em grande escala e aumentar a população humana de maneira insustentável, a civilização poderia entrar em colapso dentro de um século. Parece que essa modelagem poderia ter sido feita na semana passada, com mudanças climáticas , escassez de água e microplásticos corrompendo todos os cantos da Terra . Mas, na verdade, caiu no livro de 1972 The Limits to Growth , publicado pelo Club of Rome, uma organização internacional de intelectuais fundada em 1968.

O livro vendeu milhões de cópias e foi traduzido para pelo menos 30 idiomas, atraindo uma tempestade de controvérsias. Afinal, tratava-se de uma modelagem computacional muito precoce – concluída em uma máquina de cartões perfurados no MIT – e uma simulação altamente simplificada de sistemas globais complexos. E estava fazendo previsões bastante grandiosas e conseqüentes. (Como diz o velho ditado : todos os modelos estão errados, mas alguns são úteis.) Esse modelo apresentou cenários em que a humanidade se tornou mais sustentável e equitativa e, assim, floresceu, ou continuou deixando os capitalistas saquearem o planeta e nossa civilização até a morte.


“O que veio das simulações é que a maioria dos casos – mas não todos, e é importante dizer não todos – a evolução de uma série de variáveis ​​como população, produção, poluição, estava mostrando que por volta de meados do século 21, nós teriamos um cenário de colapso da civilização humana”, diz Carlos Alvarez Pereira, vice-presidente do Clube de Roma e coeditor do novo livro retrospectivo Limits and Beyond: 50 Years on From The Limits to Growth, What Did We Learn .

Qual é o próximo? “A coisa toda foi enquadrada na profecia do dia do juízo final. Não conseguimos trazer a mensagem de que não se tratava disso. Era realmente sobre: ​​nós temos a capacidade de escolher. Temos, como humanidade, a capacidade de decidir que tipo de futuro queremos.”


Para marcar o aniversário de 50 anos do livro, a WIRED MAGAZINE sentou-se com Alvarez Pereira para falar sobre como esse futuro está se formando, o que mudou no meio século desde Limits e como a humanidade pode corrigir o curso. A conversa foi condensada e editada para maior clareza.


WIRED: Para pessoas que não estão familiarizadas com o relatório original, você pode fornecer um histórico?


Carlos Alvarez Pereira: Foi uma tentativa de abrir o espaço de possibilidades para o futuro da humanidade. Nos anos 60 e início dos anos 70, a questão fundamental era: é possível expandir o conceito de desenvolvimento humano que tínhamos na época para todo o planeta, sem consequências negativas?


Limits to Growth foi, penso eu, uma tentativa séria e rigorosa de usar o melhor, não só o conhecimento, mas também as ferramentas informáticas, que na altura eram bastante primitivas, para simular uma série de cenários para o futuro, para investigar esta grande pergunta. Em alguns cenários, era concebível encontrar um equilíbrio entre o bem-estar humano ou o desenvolvimento humano e a finitude dos recursos na Terra.


WIRED: Vamos pegar dois dos cenários extremos do relatório. Que fatores produzem o colapso e quais produzem um futuro mais sustentável onde evitamos o colapso? Está diminuindo a poluição? Está reduzindo o consumo?


CAP: As principais variáveis ​​são um conjunto de cinco: população, produção de alimentos, produção industrial, recursos naturais e poluição. O que produz o colapso na maioria dos cenários é a combinação – não é tudo uma coisa só. No caso dos combustíveis fósseis, é tanto o consumo das reservas de combustíveis fósseis quanto a poluição.

O que poderia levar a um cenário mais sustentável, ou um cenário de equilíbrio? Fundamentalmente, trata-se de equidade, gerindo os recursos de forma equitativa, sabendo de antemão que são limitados. Percebendo que não é o consumo cada vez maior que nos faz viver bem, ter uma vida saudável e bem-estar. É a qualidade das nossas relações com os outros humanos, com a natureza, que possibilita os cenários em que se pode dissociar o bem-estar e o crescimento do consumo.

Temos capacidades incríveis para desenvolver novas tecnologias, mas a questão é que não as usamos sob a suposição de que devem reduzir a pegada ecológica. Este não é um critério de design. E lembremos que as pegadas ecológicas são extremamente desiguais. Normalmente, a pegada média nos EUA é de 20 a 40 vezes a pegada média na África.


WIRED: Certo, há essa noção de que, antes de tudo, o problema que temos é o crescimento populacional. Mas isso ignora o fato de que os Estados Unidos sozinhos são responsáveis ​​por um quarto das emissões históricas. Não é tanto o fato de termos mais pessoas, é o fato de termos estilos de vida insustentáveis.


CAP: Já temos uma pegada ecológica muito alta em comparação com o que a Terra pode carregar. Trata-se, a meu ver, de considerar que o bem-estar vem com as relações, não necessariamente com um alto grau de consumo material. É uma questão de considerar que podemos reduzir drasticamente a pegada ecológica dos chamados países ricos. Eu sei que parece estranho, porque estamos tão acostumados a associar o bem-estar ao consumo material. Dizer isso é como, “Oh, estamos propondo voltar para a Idade Média”. Não, de jeito nenhum.


WIRED: Acho que você poderia caracterizar com segurança a reação ao Limits to Growth como um alvoroço. Isso veio de cientistas, capitalistas ou políticos? Ou talvez todos os itens acima? Quais foram os principais pontos de discórdia?


CAP: Temos que estar em bom equilíbrio com o planeta onde vivemos. E essa parte da mensagem foi completamente perdida, muito rapidamente. Jimmy Carter, quando era presidente, ouvia esse tipo de abordagem. E, claro, o clima político mudou muito com a ascensão de Ronald Reagan e Margaret Thatcher. O próprio Reagan tem um discurso em que diz , literalmente, que não há limites para o crescimento. Então, do ponto de vista político, houve uma negação completa do que o livro estava dizendo.


O que gera um pouco de frustração é que no domínio científico não houve controvérsia suficiente, pois de alguma forma o livro foi descartado por muitos. Não por todos. Por muitos, foi descartado como uma profecia apocalíptica. E, com certeza, não tivemos sucesso entre os economistas da época.


WIRED: Presumivelmente, os economistas não gostaram muito disso porque o crescimento é inerente ao capitalismo. E o crescimento descontrolado , na verdade, um tipo de crescimento maníaco, ecologicamente destrutivo a todo custo, que está embutido no sistema.


CAP: O que o sistema fez, como mecanismo para continuar crescendo a todo custo, é na verdade queimar o futuro. E o futuro é o recurso menos renovável. Não há como reutilizarmos o tempo que tínhamos quando começamos esta conversa. E construindo um sistema que é mais baseado em dívidas – onde mantemos o consumo, mas criando mais e mais dívidas – o que estamos realmente fazendo é queimar ou roubar o tempo das pessoas no futuro. Porque seu tempo será dedicado ao pagamento da dívida.


WIRED: Parece óbvio que eventualmente ficaremos sem recursos finitos. Mas houve até resistência contra essa ideia quando o relatório foi publicado. De onde vem essa insistência?


CAP: O paradoxo é que o capitalismo também se baseia na noção de escassez. Nosso sistema está organizado em torno da ideia de que os recursos são escassos, então temos que pagar por eles, e as pessoas na cadeia de valor vão lucrar com essa ideia de escassez. O capitalismo convencional está dizendo que, embora esses recursos possam ser finitos, encontraremos outros: não se preocupe, a tecnologia nos salvará . Para que continuemos da mesma forma.


WIRED: 50 anos após o relatório original, estamos no caminho certo como espécie?


CAP: Não, se você olhar para a realidade. E não, em particular, se você olhar apenas para o que governos e corporações fazem, se você olhar para o que os tomadores de decisão decidem e os sistemas de governança que temos, sejam nacionais ou globais. Não somos melhores em termos de poluição, porque temos o aquecimento climático, uma questão existencial. Não somos melhores em termos de biodiversidade. Não estamos em termos de desigualdade. Portanto, há muitas razões para dizer não.


Mas também há boas razões para o otimismo da vontade . E essas razões são possivelmente menos óbvias, menos evidentes, menos nas manchetes da mídia e em outros lugares. Nós definitivamente achamos que há uma mudança cultural em andamento, muitas vezes escondida à vista de todos. Muitos estão experimentando, muitas vezes em nível comunitário, tentando encontrar seus próprios caminhos para esse equilíbrio de bem-estar dentro de uma biosfera saudável. Uma mudança que me traz esperança é a mudança no status das mulheres, os papéis crescentes das mulheres. E eu diria que se você olhar para o que está acontecendo com as gerações mais jovens, há uma grande mudança também.


Então, politicamente, no nível das corporações, no nível oficial, as coisas estão indo na direção errada. Culturalmente, abaixo da linha, minha aposta é que muitas coisas estão acontecendo na boa direção. A revolução humana já está acontecendo — só que não a vemos. E talvez seja bom que ainda não o vejamos, até o momento em que faz muitas coisas mudarem.






18 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page