top of page

Mark Zuckerberg quer que você fale

O Clubhouse é a última startup a ser clonada pelo Facebook, já que a gigante das mídias sociais anuncia um conjunto de novos recursos de áudio. Quem os usará?



O CEO Mark Zuckerberg revelou o plano da empresa de entrar no espaço de áudio social. “Achamos que o áudio também será um meio de primeira classe”, disse Zuckerberg ao jornalista Casey Newton em uma conversa transmitida pela Discord. “De vez em quando, surge um novo meio que pode ser adotado em muitas áreas diferentes”, disse Zuckerberg. “Acho que isso vai ser verdade com essas salas de áudio ao vivo.”


Para as 600 pessoas ouvindo, a ironia era densa.


O áudio ao vivo não é exatamente um “novo meio”. A própria plataforma onde Newton estava entrevistando o CEO do Facebook ofereceu áudio ao vivo por cinco anos e vale US$ 10 bilhões . O Clubhouse, agora com um ano, foi avaliado recentemente em US$ 4 bilhões . A rápida ascensão dessa startup foi devidamente notada por plataformas mais estabelecidas, que lançaram ou anunciaram seus próprios recursos de áudio ao vivo nos últimos meses: Twitter Audio Spaces, Reddit Talk e até mesmo LinkedIn está trabalhando em um.


A ideia do Facebook não é recente, mas a falta de originalidade nunca parou a empresa antes . Em breve, vai estrear seu concorrente Clubhouse, chamado Live Audio Rooms, onde as pessoas podem conversar em tempo real. A empresa está inicialmente testando o recurso em grupos do Facebook e com figuras públicas, mas disse em um blog na segunda-feira que espera que as salas “estejam disponíveis para todos no aplicativo do Facebook até o verão”. Ela planeja lançar salas de áudio ao vivo para seu aplicativo Messenger neste verão também.



O Facebook está testando Live Audio Rooms e planeja oferecer aos criadores várias maneiras de ganhar dinheiro na plataforma.CORTESIA DO FACEBOOK


O Facebook também está lançando alguns outros produtos de áudio. Um é o Soundbites, que Zuckerberg descreveu como conteúdo de áudio “lanchonete” - um lugar para piadas, poemas, insights incisivos ou anedotas que entram em um feed de algoritmo. (O Twitter introduziu um recurso semelhante no ano passado; sem surpresa, “tweetar com sua voz” ainda não decolou.) Outro é o Boombox, uma colaboração com o Spotify para compartilhamento de música. O Facebook também adicionará um espaço para reproduzir e descobrir podcasts diretamente de seu aplicativo principal.


A categoria de áudio social já é bastante concorrida, mas o Facebook chega com algumas vantagens competitivas. A empresa já tem mais de 2 bilhões de usuários, fornecendo uma base de ouvinte integrada. Seu negócio de publicidade extremamente bem-sucedido significa que ela tem muitos recursos financeiros e humanos para lançar nesta última iniciativa, caso seus executivos assim o desejem.

O Clubhouse, por sua vez, ainda nem tem um aplicativo Android. E, no entanto, o tamanho do Facebook não garante por si só que vai ganhar o dia. Conquistar copiando há muito faz parte do manual do Facebook, e a estratégia às vezes pode valer a pena. Quando o Instagram do Facebook roubou o formato das Histórias do Snapchat, os usuários adoraram; a recepção de Reels, sua cópia do TikTok, foi mais mista.



O CEO Mark Zuckerberg descreveu a Soundbites como um conteúdo de áudio "que pode ser aproveitado".CORTESIA DO FACEBOOK


No Facebook, muitas pessoas já estão conectadas aos grupos de que gostam, o que pode se traduzir bem em conversas de áudio. “Você já tem essas comunidades organizadas em torno de interesses”, disse Zuckerberg na segunda-feira. “Permitir que as pessoas se reúnam e tenham salas onde possam conversar será muito útil.” Os grupos do Facebook também se tornaram vetores de discurso de ódio , extremismo violento e desinformação - algo que a empresa tem lutado para controlar, mesmo com um conjunto de ferramentas avançadas. Da mesma forma, as ferramentas existentes da empresa já foram cooptadas para transmitir atrocidades como elas aconteceram. Monitorar o conteúdo de áudio em tempo real e na escala global do Facebook apresentará novos desafios e abrirá novos riscos.


O Clubhouse, em seu primeiro ano, já teve uma série de incidentes de assédio e salas com discussões explicitamente racistas e anti-seméticas. Ainda não está claro como o Facebook planeja superar o problema. Quando Newton perguntou sobre moderação de conteúdo na segunda-feira, Zuckerberg comparou a tarefa ao policiamento do crime em uma cidade grande, sugerindo que o dano nunca poderia ser totalmente contido.

Além de minimizar os danos em sua plataforma, o Facebook também quer que o conteúdo de áudio que hospeda seja bom - ou pelo menos o tipo de conteúdo que faz as pessoas quererem sintonizar. E para fazer isso, será necessário convencer os criadores de que vale a pena criar no Facebook. Para o efeito, a empresa anunciou uma série de recursos de monetização na segunda-feira, essencialmente atraindo criadores com a promessa de melhores recompensas do que outras plataformas de áudio social. Quando for lançado, o Live Rooms incluirá uma ferramenta de dicas chamada Stars. Com o tempo, os criadores poderão cobrar taxas de assinatura para determinados quartos, um recurso que o Clubhouse também anunciou, mas ainda não lançou. Também semelhante ao Clubhouse, o Facebook está começando um fundo para apoiar e financiar esses primeiros criadores, na esperança de conquistá-los de outras plataformas de áudio.



Pagar aos criadores pelo seu trabalho e reconhecer o seu papel no apoio às redes sociais é um passo na direção certa. Mas o histórico do Facebook com os criadores é misto. Os criadores de vídeos reclamaram que a plataforma dificilmente oferece uma fonte confiável de receita, em parte por causa da classificação algorítmica do feed, que pode promover uma postagem ou efetivamente enterrá-la. Outros criadores acusaram a empresa de censura e algoritmos racistas que injustamente denunciam postagens de grupos marginalizados. As novas ofertas de áudio do Facebook, que também usarão um feed de algoritmo para revelar o conteúdo mais “relevante” para os usuários, podem ter problemas semelhantes.


Mas talvez o maior obstáculo às esperanças de áudio do Facebook venha do mundo analógico. O boom do áudio social se beneficiou do isolamento social do ano da Covid. Pessoas trancadas, conectadas e sintonizadas. À medida que as vacinações continuam e as restrições para aumentar a facilidade, porém, não está claro quantas dessas pessoas vão querer passar horas socializando por meio de fones de ouvido enquanto outras opções o aguardam. O Facebook pode estar lançando suas salas de áudio bem a tempo de muitos americanos voltarem aos bares. A maior competição pode vir de um mundo real que foi reaberto.


Saiba mais sobre nossas certificações internacionais:


Analista de Inovação: https://www.xper.social/cai

Gestor de Inovação: https://www.xper.social/cgi

Arquiteto de Inovação: https://www.xper.social/arquiteto


25 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page