top of page

Facebook fecha fazenda de trolls na Nicarágua

Gigante da mídia social afirma que contas falsas foram administradas pelo governo



Membros do exército da Nicarágua preparam cédulas para distribuição. A eleição aconteceu no domingo 31/10

OSWALDO RIVAS / AFP / GETTY IMAGES


O Facebook removeu uma fazenda de trolls com mais de 1.000 contas no Facebook e Instagram, que afirma ser administrada pelo governo da Nicarágua.


O gigante da mídia social disse que a fazenda pretendia ampliar o conteúdo pró-governo e anti-oposição para o partido governante do país, a Frente Sandinista de Libertação Nacional, por meio de um esforço coordenado para manipular o discurso público usando contas falsas.


De acordo com o Facebook , a fazenda estava ativa desde 2018 e era administrada principalmente por funcionários da Telcor, a agência de telecomunicações da Nicarágua, que trabalhava na sede do serviço postal em Manágua, a capital.


“Esta foi uma das operações trolls mais cruzadas do governo que interrompemos até hoje, com várias entidades estaduais participando dessa atividade ao mesmo tempo”, disseram os investigadores do Facebook em seu relatório.


A suprema corte da Nicarágua, que provou ser uma aliada do presidente Ortega, e o instituto de previdência social também administraram operações menores de contas falsas, disse o Facebook.


O Facebook informou que removeu 937 contas do Facebook, 140 páginas e 24 grupos e 363 contas do Instagram que faziam parte da rede da Nicarágua.


A Nicarágua deve realizar sua eleição presidencial no domingo, que os EUA classificaram como uma farsa organizada pelo que descrevem como um Ortega cada vez mais autoritário .


Um porta-voz da Alphabet Inc, empresa controladora do Google e do YouTube, disse que encerrou 82 canais do YouTube e três blogs como parte de sua investigação sobre as operações de influência coordenadas vinculadas à Nicarágua.


“Esses canais tinham menos de 1.500 assinantes no total e carregaram principalmente conteúdo com spam em espanhol sobre jogos e esportes. Um pequeno subconjunto carregou conteúdo apoiando o presidente Ortega e o partido sandinista e criticando os EUA ”, disse Alphabet.


O Facebook disse que esse tipo de comportamento por parte dos governos foi “uma tendência especialmente preocupante”.


Este ano, a empresa desativou outras redes vinculadas à Etiópia, Uganda, Sudão, Tailândia e Azerbaijão.

A repressão está provavelmente ligada ao Facebook estar sob crescente escrutínio de legisladores e reguladores sobre os danos potenciais causados ​​por sua plataforma, notadamente após o vazamento de documentos internos por Frances Haugen, uma ex-funcionária e denunciante.


Em novos esforços para melhorar sua imagem, o Facebook anunciou na semana passada que começaria a negociar como Meta Platforms Inc em 1 de dezembro.


15 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page