top of page

A pulseira neural do Facebook muda tudo!

Este é realmente o futuro da realidade aumentada?




O Facebook esta desenvolvendo um controlador de realidade aumentada baseado em pulseira, que poderia integrar a tecnologia em nossas vidas diárias com mais perfeição do que nunca.





No ano passado, o CEO Mark Zuckerberg anunciou que o Facebook estava se preparando para lançar um par de óculos AR em 2021. Desde então, não vimos mais detalhes sobre o projeto, executado pelo Facebook Reality Labs (FRL).

A empresa elaborou sua visão no início deste mês, anunciando que espera melhorar os óculos com uma nova interface, isto por meio de uma “pulseira macia” projetada para ler os sinais da medula espinhal e usá-los para controlar os óculos.


Esta semana, o Facebook lançou um novo vídeo, mostrando um protótipo do dispositivo usado no pulso. É robusto e possui uma tela pequena.

De acordo com as alegações da empresa, o dispositivo capta sinais do sistema nervoso do usuário, em vez de forçá-lo a mover o braço inteiro.


Em uma nova postagem do blog detalhando seus esforços mais recentes, o Facebook disse que uma visão totalmente desenvolvida da realidade aumentada ainda está muitos anos à frente. Em vez disso, a empresa decidiu “dar uma olhada mais de perto em uma versão que pode ser possível de realizar muito mais cedo: a entrada é baseada no pulso e combinada com IA contextualizada utilizável, mas limitada, que se adapta dinamicamente a você e ao seu ambiente”.


No pulso, diz a empresa, o dispositivo é capaz de ler dados neurais enviados para suas mãos a partir do cérebro, uma riqueza de informações que pode ser interpretada por EMG ou eletromiografia.

Esses sinais podem então ser transformados em comandos; o movimento de um mouse ou um simples clique do mouse, por exemplo, conforme mostrado na demonstração abaixo.


“O que estamos tentando fazer com as interfaces neurais é permitir que você controle a máquina diretamente, usando a saída do sistema nervoso periférico - especificamente os nervos fora do cérebro que animam os músculos das mãos e dos dedos”, FRL Diretor de Interfaces Neuromotoras - Thomas Reardon disse na postagem do blog.


A mesma tecnologia poderia até ser aplicada para digitar em um teclado inexistente, conforme demonstrado abaixo.




“Os sinais através do pulso são tão claros que a EMG pode entender o movimento dos dedos de apenas um milímetro”, observa a empresa no post. “Isso significa que a entrada pode ser fácil. Em última análise, pode até ser possível sentir apenas a intenção de mover um dedo. ”


O Facebook admite que muitos “desafios técnicos permanecem” antes que sua interface usada no pulso chegue ao mercado.


O tempo também dirá se os consumidores estão prontos para usar óculos AR, muito menos usar braçadeiras para controlar a interface dos óculos - isto é, se a marca manchada do Facebook quando se trata de privacidade já não é suficiente para desligar.


Saiba mais sobre nossas certificações internacionais:


Analista de Inovação: https://www.xper.social/cai

Gestor de Inovação: https://www.xper.social/cgi

Arquiteto de Inovação: https://www.xper.social/arquiteto

68 visualizações0 comentário

Comentários

Avaliado com 0 de 5 estrelas.
Ainda sem avaliações

Adicione uma avaliação
bottom of page